• Núcleo

Meditar & Amanhecer - T&XTO4

A alimentação vincula-se entre alguns atributos, as relações afetivas, memória e padrões socioculturais. Esses padrões produzem estilos de vida e de consumo que conformam nossos hábitos alimentares. Trazer consciência para o ato de se alimentar nos leva a um caminho de desconstrução e relação diferenciada com o alimento. De uma relação inconsciente à uma consciência alimentar, a desconstrução dos padrões de escassez ou de excesso é muitas vezes desafiante e requer um firme propósito estabelecido, assim como apoio, orientação e pesquisa para conhecer possibilidades de fazer as transições alimentares.


De acordo com Acarya (2008, p.49):

O corpo físico não é uma estrutura totalmente diferente e separada da mente - é a camada mais externa da mente, a base com a qual se pratica a meditação. No sistema de Yoga, chama-se ao corpo de “annamaya kos’a” ou “camada do alimento”, por que ele é constituído pelo alimento que ingerimos. Na medida em que a mente se torna mais sutil, o corpo tem que ter um desenvolvimento similar.”

A alimentação é um dos sete processos vitais da Antroposofia, se relaciona do mundo exterior ao interior e também tem relação com os temperamentos humanos – colérico, sanguíneo, fleumático e melancólico – que influencia na escolha dos alimentos, na quantidade, na variação dos sabores e suas temperaturas..Steiner (1997, p.23), o criador da antroposofia, relata que anteriormente “ o processo de degustação era muito mais vivo, relativamente semelhante ao processo de respiração. Quando respiramos ocorre algo real em nós.”


Sempre admirei os momentos em família de arrumar a mesa e juntos nos reunirmos, fazermos uma oração e comermos. Com a saída de casa e um ritmo intenso de trabalho esse ato de comer virou tão corriqueiro, as vezes comemos fazendo reunião, olhando o celular, checando os e-mails e mensagens, enfim de maneira tão distraída e dispersa que nos desconectamos de um momento que é tão importante em nossos processos vitais.


Ao ser mãe os cuidados com o que comer e como comemos passou a fazer sentido para mim novamente. Agora, no momento em que comemos juntos zelamos pelo silêncio, sem aparelhos eletrônicos ligados ou dispostos a mesa. Desde uma oração cantante que antecede o ato de comer que reconecta com um momento sagrado a possibilidade de estarmos reunidos para juntos nos nutrirmos.


E com o querer fortalecido em reconectar com esta dimensão sagrada com o alimentar bem como no processo de transformação com a alimentação é que me conecto com Maria Suzana Moura com sua experiência do Meditando com os Alimentos. Em sua jornada nos conta que vem vivenciando mudanças na alimentação desde os anos 80, aprofundando na década de 90 e nos 2000 e compartilha com a gente as suas percepções e intuições a seguir.

“Fui percebendo que tão importante quanto o que comer, é o como me alimento, por isso venho fazendo um caminho de tornar o comer um momento sagrado, como uma meditação e oração, com consciência.”

“Durante esses anos muita coisa foi saindo da minha mesa e dos meus olhos e boca, naturalmente. A transformação vem acontecendo com orientações internas e externas (sabedoria do corpo, intuição, consultas a profissionais e estudos).”


“É possível transitar para uma ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL, SIMPLES, SUFICIENTE, SABOROSA E NUTRITIVA. A observação de si, o bom senso, a vontade de mudar padrões que já não nos servem mais e a leveza são nossos guias. Toda regra merece ser flexibilizada e adequada ao momento. Damos uma passo adiante nesta transformação quando nos abrimos para receber a nutrição do Sol, do Ar, da Terra, da Água, assim como a nutrição que acontece em processos de meditação e em atos ludo-criativos. Tais momentos de nutrição contribuem para uma escolha mais consciente no ato de comer ”

“Cozinhar pode ser um ato de Amor

E o que dizer do ato de alimentar-se?

Pode ser: Pura Gratidão! Oferenda de Amor! Poesia em degustação! ….

O que você me diz?”

É um processo de transformação individual, cada pessoa vai encontrar a sabedoria de se relacionar com os alimentos e encontrar um caminho que sustente as suas transformações e de se organizar na vivência de suas transições. Atualmente, refletindo a caminhada das mudanças realizadas chegou o seguinte pensamento, da alimentação o que:

1. Retirei

2. Reduzi

3. Substitui

4. Fortaleci

5. Adotei

Nos retiros de meditação das diversas práticas vivenciadas bem como em retiro de alimentação viva, a observação dos momentos de alimentar, do fazer juntos o alimento, da adoção de uma alimentação vegetariana, do cuidado no momento em que se faz o alimento com as palavras e sentimentos, o silêncio e atenção plena estão em comunhão na ação.

Nos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável - ODS, o segundo objetivo de “Acabar com a fome, alcançar segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura sustentável” percebemos como um convite à reflexão e ação quanto aos aspectos e impactos da alimentação na constituição de uma saúde ecossistêmica. Gaia Education (2020) aborda a fome como um sintoma do sistema de produção e consumo; o desperdício como um problema de distribuição de alimentos; e a necessidade de fortalecer a produção, distribuição, compras e consumo em sua comunidade local.


Para finalizar, a imagem abaixo, assim como outros registros de Maria Suzana (@maria.suzana.963), serve para nos inspirar neste caminho de mudança. Na realidade, um processo de tornar-se Ser Consciente nas escolhas, cuidados, sensibilidade, beleza e inteireza na relação com a alimentação, na composição dos alimentos e do alimentar-se. É uma jornada de contínuo aprendizado, vamos assim nos fortalecendo e nos inspirando com as experiências compartilhadas de transformações.

Priscylla Lins Leal e Maria Suzana Moura

REFERÊNCIAS

ÁCARYA, Avadhútika Ánandamitra. Meditação e os segredos da mente. 4 ed. Brasília: Ediora Ananda Marga Yoga e Meditação, 2008.

GAIA EDUCATION. Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. Cartões ODS. Disponível em: www.gaiaeducation.org. Acesso em: 19 de junho de 2020.

MOURA, Maria Suzana. Experiência pessoal. Disponível em:https://www.instagram.com/maria.suzana.963/. Acesso em: 19 de junho de 2020.

MOURA, Maria Suzana. Alimentação para paz e sustentabilidade. 2020

MOURA, Maria Suzana. Meditando com os Alimentos: trilhas para aprimorar o ato de comer. 2020

STEINER, Rudolf. Os doze sentidos e os sete processos vitais. Conferência proferida em Dornach (Suíça), em 12 de agosto de 1916 São Paulo: Antroposófica, 1997.

Outras Referências Interessantes

BONDER, Nilton. A Cabala da Comida. Rio de Janeiro, Rocco, 2010.

GALLIAN, Dante M. C. A desumanização do comer. Estudos Avançados, 21 (60) , 2007

NHAT-HANH, Tich. A Arte de Comer. Tradução Rodrigo Peixoto, 1 ed; Rio de Janeiro; Agir, 2015

ROTH, Gennen. Mulheres, Comida e Deus: Uma Estratégia Inspiradora para quase tudo na Vida. São Paulo, Lua de Papel, 2010.

0 visualização

©2018 BY NÚCLEO DE PRÁTICAS INTEGRADAS. PROUDLY CREATED WITH WIX.COM

Website Idealizado por Heliana Mettig